Inclusão na Prática | A lição do Corona Vírus para a inclusão escolar - por Maibí Mascarenhas

Inclusão

20 Março, 2020

Participamos, na imensa maioria dos locais, de ambientes competitivos, nos quais os mais ágeis e habilidosos são recompensados e onde é estimulado que o grupo se encaixe em determinados padrões de desempenho. Muitas escolas se encaixam nesta descrição acima, mesmo sendo urgente compreender as particularidades de cada aluno e alinhar as práticas pedagógicas para a aprendizagem e socialização de todos, com e sem deficiência.

Por diversas vezes, é extremamente dificultoso enviar esta mensagem de igualdade dentro das diferenças para mentes e corações de educadores mais resistentes.

Então, inesperadamente, surge um vírus e, como em toda situação alarmante, se torna possível aprender lições.

Estamos todos em alerta, com ou sem deficiência. Devemos fazer nossa parte para prevenção, estando ou não em uma cadeira de rodas. Temos consciência da fragilidade coletiva, mesmo que uma deficiência visual permita apenas ouvir as notícias ao invés de ler. Fomos, finalmente, igualados nos quesitos segurança, responsabilidade, senso coletivo e na máxima "um por todos e todos por um".

A escola, hoje, fecha as portas para todos, e não somente para a criança com Síndrome de Down que teve mais uma matrícula indevidamente negada. A ordem é não nos tocarmos, não somente por respeito ao colega com TEA, que apresenta restrições sensoriais.

Um ser invisível - COVID-19 - veio incontestavelmente nos mostrar que é possível nos adaptarmos ao que não conhecemos e termos sucesso, juntos, se fizermos nossa parte na educação. Que ele nos deixe como comorbidade, então, a irreversível contaminação pelo amor e  solidariedade, para que, quando novamente abrirem os portões da escola, estejamos definitivamente dispostos a acolher a todos, sem restrições.

Finalmente, estamos juntos.