Inclusão na prática - Os olhos da criança inclusão e empatia por Maibí Mascarenhas

Inclusão

19 Outubro, 2020

Quem é professor de crianças - sobretudo, as pequenas - e já teve um aluno com deficiência sabe que suas ações e limitações são alvo de curiosidade de boa parte da turma.

De forma natural e investigativa, é comum que os colegas observem, perguntem sobre e tentem várias formas de interação. A dica é que a inclusão escolar pode ser extremamente potencializada nessas situações, através da empatia.

Quando uma criança sem deficiência fizer perguntas ou comentários, ensine-a a observar o contexto do colega, como pode ser incluído e quais são suas demandas específicas. Auxiliando nessa análise, estimule o aluno a pensar como resolver questões e como ele gostaria de ser tratado, para que pudesse brincar, socializar e aprender. Deste forma, com a ajuda do educador, o grupo de crianças poderá começar a raciocinar sobre a importância da inclusão e encontrar formas de realizá-la, tornando-a uma prática constante da rotina. Certamente, lembre-os de que qualquer aluno tem seus saberes, opiniões e experiências, devendo ser considerados em todas estas etapas.

A inclusão é mais simples e viável do que se parece. Basta ter vontade e olhar o mundo com a naturalidade, disposição e bondade das crianças.