Educação socioemocional | Seu copo está meio cheio ou seu copo está meio vazio? - por Cristina Corsini

Educação Socioemocional

05 Dezembro, 2017

 "Mude seus pensamentos e você mudará seu mundo"


2017 está chegando ao fim... Para a maioria das pessoas o final de ano costuma instigar um sentimento de reflexão, fazendo com que "fecham para balanço". Revisam sua trajetória ao longo do ano, analisam para onde suas escolhas as levaram, comparam as metas planejadas com o que realmente aconteceu. Enfim, avaliam o que foi bom, reclamam do que não foi, MAS renovam os sonhos e esperanças, escrevendo uma nova lista para o próximo, esperando coisas boas.


Pois é justamente sobre isso que eu vou escrever hoje. O OTIMISMO.


"Mude seus pensamentos e você mudará seu mundo". Antes de você torcer o nariz achando que esse pensamento de Norman Peale nada mais é do que aquelas frases de autoajuda saiba que estudos estão sendo desenvolvidos na área da Neurociência, cujos dados comprovam, sim!!, o efeito do otimismo na vida das pessoas. Pesquisas mostram que o otimismo nos leva à sensação antecipada de sucesso oferecida pelo sistema de recompensa do cérebro ao se visualizar bem-sucedido, e isso gera grande motivação para agirmos.


O otimismo é um dos pontos principais trabalhados pela Psicologia Positiva e é uma ferramenta que pode ser usada para o alcance de metas e objetivos. Funciona como um catalisador ultra poderoso que configura a forma como percebemos e processamos as informações, reforçando, assim, as nossas ações, nos ajudando a derrotar a apatia e a vencer o desânimo.


No entanto, por mais que o cérebro seja capaz de construir uma imagem da pessoa dirigindo uma Ferrari ou deitado em uma rede à sombra de um coqueiro enquanto o prêmio bilionário que recebeu da Mega Sena rende no banco, isso, por isso só, não basta! Ser otimista não se reduz apenas aos pensamentos positivos. É preciso AGIR sobre o mundo e usar o cérebro para mudar a realidade física por meio de atitudes. Quando o sujeito deixa a zona de conforto, o seu cérebro gera mais conexões entre os neurônios e, consequentemente, a pessoa passará a progredir... Isso gera um circulo virtuoso.


E qual é a relação disso tudo com a Educação Socioemocional? A tendência dos nossos neurônios de pender para o otimismo e vermos o lado "meio cheio do copo" não é exclusividade de alguns poucos. Trata-se de uma habilidade, um modus operandi, que pode ser aprendida por todo as pessoas, melhorando, assim, a autoestima, a autoconfiança, os relacionamentos. Além disso, como ser otimista não se reduz apenas aos pensamentos positivos, mas também a forma de lidar com as situações do dia a dia, concentrando-se mais nas soluções do que nos problemas, podemos relacionar a capacidade de ser otimista com a raiz de outra habilidade socioemocional denominada RESILIÊNCIA.


E o papel do EDUCADOR diante disso? FUNDAMENTAL!!! É importante ajudar os alunos a "exercitar o otimismo", ou seja, treinar os circuitos neuronais, para que, através atitudes, possam lidar com uma dada situação adversa e seguir em frente, SEMPRE!

Destino não é dado, é criado!!


Desejo a todos, de coração, um Natal iluminado e, ao fazerem uma balanço de 2018, lembrem de tudo com GRATIDÃO, ALEGREM-SE e ENCAREM 2018 SEM MEDO.