Neurociência e Comunicação | A arte de ver coisas - por João Rilton

Neurociência

22 Outubro, 2018

Visualizações são exercícios cerebrais, de ordem criativa, no qual uma pessoa se propõe a criar imagens positivas a respeito de sua vida profissional, pessoal ou social. A pessoa propõe ao seu cérebro ver imagens de si próprio em momentos de auto realização, conforto, segurança, coragem ou determinação. Uma pessoa tímida que tenha muito medo de falar em público faria esse exercício criando uma imagem onde ela se vê com muitos recursos comunicativos, mesmo que ela não saiba como acessar esses recursos na vida real. Visualizar é criar as imagens do que queremos viver no futuro. Se queremos estar cheios de saúde, criamos imagens nossas repletos de saúde. Se queremos ter magnetismo pessoal, devemos criar imagens nossas com todas as características de pessoas com magnetismo pessoal.

Esse é certamente um assunto bem polêmico. Muitas são as linhas da psicologia que se colocam inteiramente contra a proposta de que as visualizações são realmente eficazes em gerar mudanças naqueles que a praticam. Parece ser de uma extrema ingenuidade pensarmos que basta criarmos uma imagem poderosa em nossa mente para que os resultados sejam atingidos. E eu penso que muitas foram as pessoas que praticaram visualizações e não conseguiram realizá-las na vida real. Porém, quero deixar aqui uma breve reflexão sobre esse assunto.

Quando queremos comprar um carro novo, instantaneamente começam a aparecer carros do tipo que eu quero comprar. Você já percebeu isso? Esse fenômeno acontece porque estamos com nosso cérebro focado na imagem do carro. Para ele existe a mensagem: procure e destaque os carros do tipo desejado. Todos os dias você vê carros, mas o seu cérebro pode não estar com o foco de procurar algum tipo específico. Você passará por muitos deles sem prestar atenção. Mas, quando você tem um foco, o seu cérebro logo começa a procurá-lo no ambiente.

Pense no parágrafo anterior e relacione com alguém que queira se desenvolver em comunicação. Se ele criar uma visualização onde ele se vê como um grande comunicador, o seu cérebro receberá estímulos para prestar atenção no que compõe essa imagem de um grande comunicador. O cérebro identificará mais rapidamente quais habilidades devem ser desenvolvidas para a meta ser atingida. Se essa pessoa fizer visualizações diárias, estará nutrindo o cérebro com imagens que irão interferir diretamente na percepção que a pessoa tem do cotidiano. Ela prestará atenção no que é necessário para se atingir a meta programada no cérebro através da visualização. Criar visualizações mentais é estimular e nortear o cérebro a procurar internamente e externamente os componentes positivos necessários para se atingir a meta visualizada.

Outro componente muito importante no processo de visualização é a emoção. Não basta visualizar resultados, é necessário visualizar e sentir a emoção da realização. Para ser mais claro, é necessário sentir a emoção gerada ao se pensar na realização. Precisamos de emoção para a imagem que visualizamos, sem isso, a visualização não passa de mera exposição de imagens. Sem emoção o exercício não funciona. Essa é uma grande barreira para aqueles que tentam visualizar resultados. Como não acreditam no que estão visualizando, utilizam uma emoção de desconfiança durante a pratica da visualização. Esse tipo de emoção não é capaz de mobilizar o cérebro em direção ao objetivo. O cérebro precisa que as imagens visualizadas venham juntas com uma forte emoção positiva. Esse é o segredo para que as visualizações contribuam para uma efetiva mudança na vida daqueles que a praticam. Por tudo isso, Viva a Comunicação!

Chat