Gestão de Carreira e Competências | Ditados e sua carreira - Tempestade - por Marcelo Veras

Gestão de Carreira

08 Outubro, 2018

"Quem semeia vento, colhe tempestade"


Já perdi as contas de quantas vezes tratei do tema "causa x efeito". Talvez este seja um dos aprendizados mais difíceis de entender, assimilar e fixar na nossa mente. A maioria das pessoas, seja na vida pessoal ou profissional, enxerga a o mundo como um festival de acasos, que não se conectam e não têm relação alguma com ações ou omissões.  Mas os ditados populares e os fatos nem sempre mostram um único caminho. Sim, a lista de fatos inexplicáveis sob a ótica da causa e efeito é grande, mas o contrário também é verdadeiro e em maior intensidade. Portanto cabe sempre a nós uma escolha entre uma ou outra visão. Os resultados são consequências do que fazemos ou deixamos de fazer ou mera obra do acaso? Cada um precisa se posicionar em relação a isso. O que não acho inteligente é avaliar ora de uma forma, ora de outra. Uma certa coerência aqui é necessária, não acha?

Vamos começar pela tese do acaso. Um grande amigo tem até uma afirmação muito engraçada sobre o tema. Segundo ele, há um baú gigante com papéis dobrados com nossos nomes escritos. Todo dia, segundo ele, "alguém" (que ele não sabe explicar quem) mete a mão nesse baú, mexe bem e tira dois papeis - um nome para se dar bem e outro para se ferrar. Imagine a cena. "Hoje quem vai se dar bem é fulano e quem vai se dar mal é beltrano".

Quem acredita no acaso se ancora em fatos da vida real que apontam para esta direção. Por exemplo, um acidente de carro causado por um bêbado ao volante, atingindo e matando uma pessoa que está passando na rua. Um funcionário dedicado e produtivo pode trabalhar numa empresa que perde um grande cliente ou é atingida de cheio por uma crise e, por isso, o demite. Isso seria um outro exemplo. Certo ou errado, há fatos que endossam a tese do acaso. E quem se apega a ela tende, em maior ou menor grau, a "esperar" que o acaso o premie. Conheço muitas pessoas que estão sentadas, esperando o grande dia em que a mão vai pegar o papel com seu nome no baú e dizer "Hoje é o seu dia".

Na outra vertente dessa conversa, há outra tese, a de que nada (ou quase nada) acontece por acaso. Em função de decisões passadas, fatos acontecem hoje. Em função de decisões de hoje, fatos acontecerão hoje e no futuro. Quem pensa assim tende sempre a ter uma postura mais ativa e acreditar que o futuro está, em parte, em suas mãos. São pessoas que, via de regra, ignoram de certa forma as crises e os momentos difíceis, buscando sempre fazer com que, mesmo quando tudo está contra, vou remar forte para sair da correnteza e se safar.

Não só por que fui criado sob este mantra, mas nos incontáveis casos que analisei desde 2006 em relação à gestão de carreiras, não tenho nenhuma dúvida de que o tal baú não existe e, além de uma obra de ficção, uma bela desculpa para quem não quer plantar antes de colher ou não quer pagar as contas que deve por ações ou omissões. Vou refazer aqui um convite que já fiz inúmeras vezes. Escolha 5 ou 10 pessoas que você considera como pessoas de extremos sucesso em suas carreiras, em qualquer área ou atividade, e invista um tempo pesquisando, a fundo, os bastidores da sua vida e do seu trabalho, principalmente antes da fama. Sabe o que vai acontecer? Duas coisas: primeiro, você verá que o acaso praticamente não as ajudou em nada. Segundo, que por trás do termo "genialidade" existe mais suor do que inspiração. Até o próximo!

Chat