Educação em Foco | As Competências Socioemocionais do Professor

Educação em foco

11 Setembro, 2017

EDUCAÇÃO - direito assegurado pela Constituição Federal e Estatuto da Criança e do Adolescente, que deveria proporcionar o desenvolvimento de forma integral em condições de liberdade e dignidade, respeitando e valorizando as diferenças, sendo esta o alicerce indispensável e condição primeira para o exercício da cidadania e acesso aos direitos sociais, econômicos, civis e políticos. A escola, além de promover o sucesso acadêmico, deveria ajudar seus alunos a interagirem socialmente de forma respeitosa, adotarem comportamentos seguros e saudáveis, agirem eticamente, bem como a terem postura democrática e cidadã.

MAS, isso AINDA não faz parte da realidade brasileira. As escolas do século XXI ainda se assemelham, E MUITO, com as do século XIX - uma educação retrógrada e engessada que remete à Grécia Antiga, cujo cerne era a transmissão de conteúdos, privilegiando o pensamento lógico e o acúmulo de conhecimento, baseada em exercícios, repetições e testes.

Precisamos com URGÊNCIA preparar nossos alunos para os desafios do mundo, para além dos muros da escola. 

Pregam-se valores éticos e comportamentos coerentes às regras, mas diariamente somos bombardeados por crimes políticos e impunidade;

Prega-se a importância de sermos fortes, capazes de enfrentarmos as dificuldades que a vida nos impõe, mas nossa sociedade consome toneladas de tranquilizantes e antidepressivos; 

Pregam-se ideais de liberdade e justiça, mas AINDA vivemos cercados de preconceitos.

Conteúdos que compõem as grades curriculares são importantes, SIM! MAS, É PRECISO IR ALÉM! Novos paradigmas deverão ser adotados. A escola precisa REunir o que, na verdade, nunca foi separado. 

Para tal, os professores desempenham um papel ímpar - deles é esperado que ofereçam suporte emocional aos alunos, criem um clima de aprendizagem acolhedor, enriquecedor e estimulante, sejam modelos de regulação emocional,  orientem os alunos em situações de conflito, estabeleçam relações colaborativas com as famílias, direção e colegas...  e correspondam às exigências da avaliação de resultados escolares. 


Será que formação academica dos professores fornece preparo e ferramentas que vão ao encontro das necessidades apontadas acima?


Professores com boas competências socioemocionais possuem visão realista das próprias características e capacidades - suas forças e fraquezas emocionais, reconhecem suas emoções e as utilizam para motivar a aprendizagem na sala de aula. Também demonstram empatia, reconhecem e compreendem as emoções e perspectivas dos outros, estabelecem relações interpessoais positivas, tomam decisões de forma responsável e ponderada, levando em consideração o impacto das suas atitudes e escolhas em relação a si e aos outros. 

Apesar de pesquisas salientarem a importância das competências socioemocionais dos professores, a verdade é que estas têm sido negligenciadas na formação acadêmica destes profissionais. Várias são as situações em que é possível verificar a falta de habilidades necessárias por parte desses profissionais para lidarem com os desafios diários da sala de aula, levando-os a experimentar um elevado nível de stress emocional, que repercute na qualidade do seu trabalho e, inclusive, levar ao burnout.


Ser "autor das mudanças" exige desenvolvimento das próprias habilidades.


Para que programas de educação socioemocional junto aos alunos sejam realmente eficazes, é fundamental que haja investimento na formação dos professores - Este é o objetivo do Curso de Especialização em Educação Socioemocional e Práticas na Escola, oferecido pelo IBFE.




CRISTINA CORSINI

Graduada em Psicologia e Pedagogia. Especialização em Psicopedagogia em Neurologia Infantil e Mestrado em Psicologia Escolar. Vivência profissional em clínica com crianças e adolescentes. Tutora de Estudo em domicílio / Home care pedagógico de crianças e adolescentes. Consultora em escolas de Campinas e Região desenvolvendo trabalho com famílias, equipe pedagógica e alunos. Coordenadora pedagógica e orientadora educacional na rede particular de ensino. Professora universitária na graduação e pós-graduação. Coordenadora Nacional do curso de pós-graduação Educação Socioemocional e Práticas na Escola e professora horista do IBFE. Tutora de estudos de crianças e adolescentes. Autora do livro "Pais nota dez, aluno nota mil: sugestões práticas para ajudar seu filho na escola"(Casa do Psicólogo / Pearson).


Chat