Inovação em Aprendizagem | A Educação 'Mobile-First' - por Lars Janér

Quando falamos de software e tecnologia, é muito comum usarmos o termo "mobile-first". É uma tendência irreversível na forma como os usuários de tecnologia consomem experiências online - cada vez mais em seus dispositivos, em telas pequenas. Mas o quanto isso também se aplica ao conteúdo educacional? 

No Ensino Superior dos Estados Unidos por exemplo, estima-se que entre 85 a 99% dos alunos tenham smartphones, e o uso dos tablets também é popular no ensino fundamental. O cenário não é muito diferente no Brasil, onde um número cada vez maior de indivíduos e famílias optam por adquirir smartphones mais modernos e poderosos ao invés de computadores tradicionais.

No universo das salas de aula atuais, isso não deve ser apenas uma consideração - mas sim uma prioridade. Por isso vários aspectos são importantes e devem ser levados em conta - abaixo estão alguns deles:


O CONTEÚDO ESTÁ SENDO FRAGMENTADO PARA O USUÁRIO? 

Muito se fala sobre a falta de atenção dos usuário de smartphones - entre notificações, mensagens de texto, ligações telefônicas e a tendência natural de pular rapidamente de um aplicativo para outro, é difícil manter o foco e fazer o usuário passar muito tempo em uma única tarefa. 

A fragmentação do conteúdo para atender ao usuário de dispositivos móveis não exige limitar ou retirar conteúdo de um curso. Se algo é importante para os objetivos, é claro que precisa ser incluído. A ideia é sim separar o conteúdo em páginas, por exemplo - e criar um índice. Quebrar vídeos mais longos em clipes curtos, ou "pílulas" de conteúdo alavancando ferramentas das plataformas de ensino como quizzes, anúncios e fóruns de discussão.


QUAL O FORMATO DAS MÍDIAS?

Esta é uma área onde melhorias foram feitas ao longo da última década, mas ainda existem dois grandes obstáculos: Flash e Java. Estes formatos de arquivo não funcionam em todos os dispositivos móveis, e se um professor depende deles para o conteúdo, isso pode gerar problemas para os alunos. Já existem formatos como o HTML5, H.264 ou MPEG4, para vídeos, animações e áudio em MP3, que vão funcionar em praticamente qualquer aparelho. Também existem plataformas como YouTube, Vimeo e SoundCloud que convertem os formatos de arquivo automaticamente. O mesmo ocorre com as plataformas modernas de educação: o conteúdo é todo convertido automaticamente.


QUE TIPOS DE ARQUIVOS SÃO UTILIZADOS PARA DOCUMENTOS?

Documentos do Word, PDFs, apresentações do PowerPoint e outros formatos de arquivo populares foram desenvolvidos antes dos dispositivos móveis serem criados. Ainda que existam algumas melhorias em como editar e formatar estes documentos, tais formatos nem sempre resultam em uma grande experiência de leitura. Sempre que possível, transfira o conteúdo para uma página da plataforma de aprendizagem. Elas são mais fáceis de editar e mais responsivas, pensadas para o "mobile-first".


QUAL O TAMANHO DOS ARQUIVOS? 

Ao criar conteúdo para usuários de dispositivos móveis, é importante estar atento aos tamanhos de arquivo. A maioria dos usuários não possui planos de dados ilimitados e, embora existam oportunidades para se conectar a redes sem fio na escola e em lugares públicos, tais opções podem não estar disponíveis em casa ou no local onde o aprendizado for realizado. Não é incomum que um grupo de usuários tenha apenas o smartphone como dispositivo com conexão à internet. 


COMO OS ESTUDANTES INTERAGEM COM CONTEÚDO E TAREFAS?

Ao oferecer um mesmo conteúdo para usuários de desktop e dispositivos móveis, é importante evitar instruções únicas de interface do usuário. Por exemplo: para os desktops, você pode dizer "clique no botão enviar", porém, em um aplicativo de dispositivos móveis, este botão pode não existir, ou pode ter uma localização diferente. Isso pode confundir os alunos. É melhor manter as solicitações para os estudantes de forma simples, consistente, e neutra, independente da interface. 


Mais do que mudanças de tecnologia, a atitude de criar e pensar o conteúdo educacional "mobile-first" deve levar em consideração a experiência do aluno, o ponto de vista dele e de suas preferências e hábitos. A tecnologia como ferramenta precisa ser invisível, e nunca um limitador. Assim a nova geração que consome e aprende pelos smartphones vai poder se engajar e tomar gosto pelo aprendizado, sem os obstáculos desnecessários criados pelos que ainda não pensam "mobile-first".

Chat